Curso de SIMLAM em Belém - PA

Estados Unidos adotam política de dados abertos para o Landsat

O United States Geological Survey (USGS), órgão do governo americano responsável pela recepção e disseminação de imagens de satélites de sensoriamento remoto, acaba de anunciar que até fevereiro de 2009 todo o acervo do programa LANDSAT estará disponível na Internet sem custo. Com este anúncio, os Estados Unidos se unem ao Brasil e à China ao adotar uma política de livre acesso para dados de sensoriamento remoto com resolução moderada (mais de 5 metros). “O Brasil já adota esta política desde 2004 para o programa CBERS e a China, a partir de 2007, passou também a aplicar esta política aberta”, comenta Gilberto Câmara, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que já distribuiu gratuitamente mais de 350.000 imagens do Programa CBERS. O programa LANDSAT é o programa mais antigo de sensoriamento remoto da área territorial do planeta. Foi iniciado em 1972, com o lançamento do LANDSAT-1. Inclui os satélites LANDSAT-2 (lançado em 1975), LANDSAT-3 (1978), LANDSAT-4 (1982), LANDSAT-5 (1984) e LANDSAT-7 (1999). Atualmente, apenas o LANDSAT-5 continua em operação plena, o que faz dele o satélite de observação da terra de maior duração até hoje. O LANDSAT-5 já obteve mais de 600 mil imagens do planeta. Para o diretor do INPE, esta decisão dos Estados Unidos torna muito provável que, a partir do início da próxima década, todos os satélites de sensoriamento remoto com mais de 10 metros de resolução estejam disponíveis de forma aberta e gratuita para o mundo inteiro. “Esta situação irá permitir um gerenciamento muito melhor dos recursos terrestres de nosso planeta, muito necessário em tempos de mudanças ambientais globais”, avalia Gilberto Câmara.
Fonte: www.inpe.br